Lobo

Canis lupus

Classificação científica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Mammalia
Ordem Carnivora
Família Canidae
Género Canis
Espécie Canis lupus

Características:

– É um carnívoro de grande porte, sendo o maior canídeo selvagem que existe na actualidade;

– Aparentemente semelhante a um pastor alemão, embora seja mais magro, com o peito mais estreito, os membros mais compridos e as almofadas das patas mais desenvolvidas;

– A cabeça é volumosa e alongada, de aspecto maciço, e o focinho é largo;

– As orelhas são triangulares, rígidas e relativamente curtas;

– Os olhos apresentam cor clara, castanho amarelada e inserem-se de forma oblíqua em relação ao focinho.

– Possui a região anterior do corpo bem desenvolvida e uma região lombar forte, arredondada e ligeiramente encurvada;

– As patas dianteiras são ligeiramente maiores do que as patas posteriores;

– A cauda é espessa e está quase sempre caída, entre os membros posteriores quando o animal se desloca;

– O lobo apresenta grandes variações de tamanho e de coloração ao longo da sua vasta área de distribuição geográfica;

– Na Península Ibérica, o macho pesa por volta dos 35 Kg e o seu tamanho varia entre os 131 e os 178 cm, ao passo que o peso da fêmea ronda os 30 kg e o seu tamanho varia entre os 132 e 165 cm. A altura ao garrote situa-se entre os 65 e os 80 cm;

– O lobo apresenta uma pelagem de Inverno bastante mais densa e longa que a pelagem de Verão;

– Na sub-espécie ibérica, a pelagem é de coloração geral acinzentada, com a zona dorsal castanho amarelada, mesclada de negro, particularmente sobre o dorso. A zona ventral é clara, de tom, em geral, branco amarelado. O branco da garganta estende-se para as faces. A cauda é acinzentada com a ponta negra e tem ainda uma pequena mancha dorsal negra no seu terço superior. Os membros dianteiros apresentam, na parte da frente, uma faixa longitudinal negra;

– A abundância de tons avermelhados e/ou amarelados é uma das principais diferenças entre esta e as outras subespécies.

– A longevidade potencial é de 16/17 anos, embora um lobo com 10 anos seja já considerado um animal velho.

Habitat:

– O lobo habitava originalmente quase toda a região Holárctica, acima dos 20° de Latitude Norte. Assim, todos os habitats existentes no Hemisfério Norte, à excepção das florestas tropicais e dos desertos áridos já foram habitados por este carnívoro, o que revela a sua grande capacidade de adaptação;

– No entanto, a área de distribuição deste predador encontra-se, actualmente, bastante reduzida e fragmentada, como consequência da destruição do seu habitat, da redução do número de ungulados selvagens e da perseguição sistemática que lhe tem sido movida pelo Homem;

– Porém, ao longo da última década, tem-se assistido a uma recuperação evidente desta espécie em grande parte da sua área de distribuição europeia. Esta expansão das populações de lobo parece estar associada à protecção legal e ao aumento progressivo das populações de ungulados selvagens.

Alimentação:

– O regime alimentar deste carnívoro baseia-se no consumo de mamíferos de médio e grande porte, sobretudo ungulados;

– Em Portugal, as variações existentes nos hábitos alimentares do lobo parecem resultar da existência/abundância de presas selvagens e dos diferentes sistemas de pastoreio utilizados em cada região;

– No nosso país as principais presas selvagens do lobo são o javali, o corço e o veado e as presas domésticas mais comuns são a ovelha, a cabra, o cavalo e a vaca. Ocasionalmente também mata e come cães e alimenta-se de cadáveres que encontra no campo ou em locais próximos das povoações, onde são depositados animais domésticos mortos.

Predadores:

– Não lhe são conhecidos predadores naturais.

Reprodução:

– Os lobos atingem a maturidade sexual com cerca de 2 anos de idade;

– O acasalamento verifica-se em Fevereiro – Março e após cerca de 2 meses de gestação têm lugar os nascimentos (Abril – Maio);

– As crias, 4 a 6 por ninhada, nascem com os olhos fechados e inicialmente têm necessidade constante dos cuidados maternais.

– A época de reprodução chega ao fim por volta de finais de Outubro, quando os lobachos, que já apresentam quase o tamanho adulto, abandonam o local de criação e começam a acompanhar o resto da alcateia nas suas deslocações, iniciando-se no processo de aprendizagem da caça.

Estado de conservação:

– A subespécie existente na Península Ibérica possui em Portugal o estatuto de EM PERIGO e é abrangida por legislação nacional específica que lhe confere o estatuto de espécie protegida.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: